‘História se combate com História’, defende.

Por: Mario Rosa/Poder 360.

O historiador Hugo Studart meteu a mão num vespeiro: publicou recentemente uma tese aprovada por uma banca de doutorado da Universidade de Brasília sobre a guerrilha do Araguaia. Em síntese, o livro intitulado “Borboletas e Lobisomens” revela que alguns guerrilheiros fizeram acordo com o Exército e se transformaram em “mortos vivos”. Trocaram de identidade.

O dedo na ferida, baseado em testemunhos e documentos oficiais, é a surpreendente, mas não inimaginável, possibilidade de haver acontecido a conversão de guerrilheiros em delatores de seus próprios companheiros de luta e, depois, terem adquirido uma nova identidade e sido admitidos em algum tipo de programa de proteção a testemunhas.

É absolutamente compreensível a dor. Eu, particularmente, me solidarizo com o sofrimento das famílias, dos militantes e de todos que participaram desse capítulo ao mesmo tempo audacioso e sombrio de nossa História recente.

Entendo e tenho empatia por aqueles que choram e clamam pela ausência de corpos de jovens que foram ceifados no esplendor de sua vida. Mas, perdoem-me, a tragédia também colocou jovens humildes jogados na mata que vestiam fardas e estavam a serviço do Exército brasileiro. E eles também foram vítimas de processo insano. E eu também me solidarizo com eles e com suas famílias.

A tragédia não foi unilateral, embora os atos praticados pelo Estado brasileiro jamais possam ser perdoados ou relativizados.

Dito isso, o debate histórico e a remoção ou a mera fissura de tumores dolorosos de nossa vida cívica – por mais sensíveis que sejam – também são atos de coragem. E é nesse aspecto que – me perdoem os detratores do professor Hugo Studart – a forma de contestação do que sua pesquisa fundamentada e aprovada por uma banca de doutorado de uma universidade respeitável não honra a memória do idealismo dos que tombaram no Araguaia.

Um dos episódios mais simbólicos do ponto a que pode chegar o primitivismo da coerção ao livre debate de ideias e ao sufocamento do arejamento intelectual foram as semanas entre 10 de maio e 21 de junho de 1933. Ficou conhecida como a Grande Queima de Livros. Foi patrocinada pelo Nazismo. E, nela, todos os livros dos autores considerados críticos ou que se desviassem das diretrizes preferenciais do poder, foram incinerados.

É assim que acontece nos regimes totalitários: é inadmissível a discordância, o debate, o enfrentamento de ideias. É preciso exterminar a obra, é preciso exterminar o conceito. E depois, com as trevas avançando, é preciso exterminar o próprio autor. Fisicamente. Não é à toa que o Nazismo ascendeu com um holocausto simbólico de livros e ideias e, ao fim, havia se corrompido moralmente ao ponto de incinerar em série milhões de inocentes nos campos de concentração.

Hugo Studart pode estar certo ou errado, mas sua tese foi aprovada com louvor e sua fundamentação documental é consistente. Até agora, seus detratores vêm atacando sua honra, convocando “escrachos” públicos para intimidar pessoas que vão ao lançamento de seus livros. Tentam intimidar a instituição que aprovou sua tese. Atacam-no com todos os adjetivos e palavras asquerosas. Não combatem suas ideias com ideias. Preferem o justiçamento verbal do autor. Intelectualmente falando, o nome disso é guerra suja. Não obedece à Convenção de Genebra.

Todos têm direito de concordar ou discordar de uma obra acadêmica. Os que discordam tem a obrigação de contestá-la no campo da academia, com um trabalho mais profundo, mais qualificado, mais documentado. Insultar apenas o autor, invocar palavras de ordem como o “negacionismo” é retórica rasteira.

Aliás, por curiosidade, o escritor socialista Oskar Maria Graf por uma dessas incríveis circunstâncias do destino teve suas obras preservadas da grande Queima de Livros do Nazismo. Envergonhado, perplexo, publicou na época um artigo famoso: “Queimem-me!”.

O desejo de Graf foi atendido e sua honra “restaurada” com a incineração de seu pensamento impresso em papel. Triunfou a brutalidade. Mas…o Nazismo viraria pó, seus líderes ou se suicidaram ou foram fuzilados. O próprio Hitler, quem diria, mandou jogar querosene sobre seus despojos após o suicídio. Seu Reich virou ruína. As obras de Graf continuam vivas.

Os detratores de Hugo Studart devem entender que o terreno da História é movediço. Devem combater o bom combate e não adotar a guerrilha sanguinária. Se continuarem errando na mão, vão fazer de Hugo Studart mais uma vítima desse capítulo triste da história do país. Vão fazê-lo mártir. História se combate com História e não com fogueiras.

 

Disponível em: https://www.poder360.com.br/opiniao/brasil/queimem-hugo-studart-seu-livro-seu-corpo-pede-mario-rosa/